Rabugento e os Templários do Asfalto – Um rat na Ordem

resize (1)

   Tantas e belas armaduras nos Templários do Asfalto e o quê que um fusca rat faz no meio do grupo? Um fusca com pintura queimada, pontos de ferrugem e amassados ao longo da carroceria.

Muitos fazem este tipo de pergunta e uma palavra que define bem a resposta é atitude.

Os Templários do Asfalto ao avaliar e aceitar um novo integrante, além de uma grande variedade de informações, atos e ações, a atitude do candidato é levada muito em conta.

Num sentido mais amplo, o que importa para a Ordem é o “ser” e não o “ter”. O carro ou armadura não possui um valor tão forte quanto a personalidade do cavaleiro, a armadura faz parte de um contexto muito maior.

Depois desta breve introdução fica um pouco mais fácil de entender um pouco os motivos de um fusca rat integrar a Ordem. O estilo rat “brinca” com a lógica que recai sobre os grupos e clubes de carros antigos e entusiastas por carro, que é ter um carro impecável, brilhando. Na filosofia ratlook, prega-se a valorização das amizades, dos amigos, o carro aqui entra como uma parte a mais da filosofia. A pintura queimada, a ferrugem, a despretensão e o desleixo com o carro é parte da brincadeira e é antagônica ao cuidado e o esmero com a mecânica, a elétrica e tudo o que envolve a segurança ao guiar.

Um verdadeiro “rater”, o verdadeiro praticante deste estilo/filosofia (em minha humilde opinião) não deixa de lado o cuidado com todos os aspectos mecânicos do seu rat, primeiramente o chassi, em perfeito estado, sem trincas ou rachaduras. Motor redondinho, elétrica em dia, principalmente pelo fato de um carro “velho” aos olhos dos leigos ser alvo fácil em blitz e nada melhor que mostrar que tudo funciona e bem.

resize

   E o que diferencia um carro velho de um rat? O cuidado que fora citado anteriormente e a atitude.

Uma das vantagens de ser rat, é que podemos nos dar ao direito de brincar com um pouco de cada estilo, evidente que dentro de um contexto visual coerente, se não vira carro alegórico. E uma desvantagem momentânea é sempre ter de explicar o motivo de não querer pintar o carro ou sempre ouvir: “-…quando vai pintar?”. Mas nos acostumamos e soa até divertido.

Os Templários do Asfalto prezam pela amizade, lealdade, pela atitude, prezam por gostar e conhecer profundamente o estilo que você defende. Portanto o importante não é o brilho da pintura, mas sim conhecer e defender a filosofia e a customização que você se identifica, que você gosta.

Lembrem-se, o termo é simples e traduz bem a atitude rat, “Rust is not a crime” (ferrugem não é crime). Se você ainda não conhece o estilo, deve primeiro se despir de seu conceitos pré-concebidos e procurar a essência, isso não apenas para conhecer a filosofia Ratlook, mas para tudo na vida. Defender os que buscam a luz, o conhecimento, um lema Templário.

Cavaleiro Aerugo

Templários do Asfalto

Sl. 115: “NON NOBIS DOMINE NON NOBIS SED NOMINE TUO DA GLORIAM”

trat

10 Comments:
Francisco Neto says:

Excelente texto, Anderson!

É notável o cuidado que tu tens ao manter o Rabug sempre com a manutenção em dia. E deve seri ainda mais divertido assistir muitos desavisados terem seus queixos caídos quando percebem um Fusca desfilar pelas ruas com tanta atitude embarcada.

Isso que eu chamo de RATITUDE! :D

Obrigado Chico, fico feliz pelo reconhecimento, mas tem que cuidar mesmo. Ratitude na veia!!

Isso não é, e nunca será RatLook.
Estão acabando com os Volks e com toda a sua cultura.
Sem mais.

Boa noite Justiceiro, gostaria que você postasse aqui o que é um Ratlook de verdade em sua opinião. Pois o Rabugento, o meu fusca, eu já comprei numa situação bem pior que o que você julga ser “acabado” e hoje ele conta com carburador novo, com pouco mais de 3 meses de uso, bobina nova, bomba de combustível nova, fora o sistema de freio em perfeito estado. Porém você pode achar que meu carro era novinho em folha e eu tenha mandado lixadeira para cima, não, não meu caro Justiceiro, se hoje estou estampando meu carro nesta página, tenha certeza que foi por muito mérito, e todos os que fazem parte desta família chamada de Templários do Asfalto estão extremamente embasados nos mais diversos estilos que permeiam o mundo da customização e do antigomobilismo. Tenha certeza que não é modismo, meu carro está ao meu lado há 6 anos e sempre foi assim, todos os anos meu carro “acabado”, como você julgou, roda em média 2000 kms de estrada, cruzando estradas, por mais que meu carro pareça “acabado”, ele vai e volta sem problemas, melhor do que muito carro tinindo de brilhante. E nosso lema resume bem o que escrevo aqui. – “Carro parado não faz história”. Convido você a conhecer meu RAT e mudar seu conceito sobre uma Rat de verdade.

Cordialmente Cavaleiro Aerugo.

Salve Templários do Asfalto.

mandou bem anderson, conheço muito bem esse carro e suas qualidades, era quase mais rapido que o cheetos quando eu era militrinca eheheh, mas pra quem conhece, o rabug por si só se explica, pra quem não conhece, paciencia, “vai estudar minino” é mais ou menos por ai eheheh.

Obrigado Leo, é bom contar com os amigos e mais ainda com quem nos conhecem de verdade. Obrigado.

Sempre é assim, falta de conteúdo te obriga a se esconder atrás de um um nome que tenta remeter a algo, mas o vazio do comentário escancará as vísceras da futilidade. Enfim, temos a coragem de colocar nossas caras a tapas, se não soubermos procuramos ter a humildade de perguntar, nunca colocamos nada aqui sem estudo e para aqueles que tiverem argumentos, humildade e a coragem de mostrarem suas faces, ficaremos honrados em debater.

Cordialmente Cavaleiro Monterrey

Salve Templários do Asfalto

Monterrey o conhecimento leva ao esclarecimento. Conhecer para saber, dominar o assunto para poder dar opinião e não julgar. Obrigado meu irmão.

nAO LIGA NAO….eses assuntos sao polemicos mesmo mas…mais importante que discutir o sexo dos anjos e saber que com certeza temos mais um amigo entre nos!

ah e outra coisa esse carro ta lindo baixo desse jeito hein!!! P-A-R-A-B-E-N-S!!!!

Top! Templários do Asfalto Created by Dream-Theme — premium wordpress themes.