Antigomobilismo, muito mais que quatro rodas e um motor fora de linha!

Para os que não me conhecem, meu nome é Henrique Sales, sou o cavaleiro Barão de Sales, tenho 26 anos e Engenheiro Agrônomo por profissão. Minha história com o antigomobilismo começou ainda adolescente por volta dos meus 15 anos quando comecei a despertar para o sonho de ter um brinquedo maior, o tão sonhado carro. Na época não tinha conhecimento algum e ninguém na família para influenciar e custear aquele sonho. Um fim de tarde minha mãe e irmão falaram que viram uns carros antigos em uma feira na cidade, sem pensar pego minha bike e saio para ver o tal encontro.

Conheci então o Clube do Carro Antigo da Paraíba o qual me influenciou muito a partir dali e conhecei a sonhar com um carro antigo, um Opala Culpe 1972, e até quem sabe um SS (por parecer com o Chevelle SS) mas minhas condições mesmo já aos 18 anos não ajudaram sonhar auto assim.

Em um encontro tive o prazer de reparar a primeira fez em um Chevette Tubarão 1976, que foi paixão pela primeira vista, e para dar o start no meu novo objetivo adquiri na feira de pulgas o retrovisor do Chevette ainda na caixa GM.

Quase um ano depois já na universidade no interior do estado, quando ia pegar o ônibus para casa dos meus pais vejo, O  meu carro passar na rua. Após virar a pequena cidade de cabeça para baixo encontrei o proprietário, que como era de esperar não queria vende-lo. Nada que 6 meses de ligações semanais não resolvessem!

Hoje ao longo de sete anos curtindo esse carrinho que me trouxe muitos amigos e até  namoradas, sempre me preocupei em buscar curiosidades e saber um pouco mais desse mundo que rodeia esta paixão por carros antigos e que no meu caso é o Chevette 1974 Azul Turquesa!

O mesmo que serviu de Capa para a revista Auto Esporte estampar o vencedor do Premio Carro do Ano, a qual vinha acompanhada de um chaveiro comemorativo. Exemplar este que tenho somado a um pequeno acervo que montei ao logo dos anos e venho aqui compartilhar com os amigos.

Artigo da coleção que acredito ser o que tenho de maior valor é o Folder que era entregue nas concessionárias para apresentar o Anti Fusca, resposta mundial da GM ao sucesso que era o carro popular conhecido como Fusca.

Tenho um item não tanto comum para um veiculo com 40 anos, o manual do proprietário de 1974 que foi presente de um primo assim que adquiri o Tubarão.

Alem de outras revistas e do Livro que meu pai recebeu quando conheceu a fabrica da GM na década de 90, tenho três miniaturas do modelo. Uma com valor histórico também, miniatura da Estrela que vinha junto de outros carrinhos e fabricados em meados dos anos 70 e as outras de revistas que exaltaram o antigomobilismo Brasileiro colocando a disposição miniaturas de carros nacionais.

Saudações a todos,

Cavaleiro Barão de Sales

 

 

Top! Templários do Asfalto Created by Dream-Theme — premium wordpress themes.